IPPNW-EUROPE.ORG

www.ippnw-europe.org  | en | Prevention of War | Medical Appeal: No War in Europe!
Tuesday, 31. January 2023

Apelo médico: Não à guerra na Europa!

Profissionais médicos reivindicam a diplomacia para evitar um desastre humanitário

Os médicos e outros profissionais da saúde na Europa levam muito a sério sua responsabilidade de ação preventiva para salvar vidas. A pandemia mostrou quanto esforço eles estão dispostos a investir nesta tarefa. Outra emergência médica está surgindo na Europa que deve ser evitada.  Se a ação correta for tomada agora, podemos evitar a guerra - e o desastre humanitário que ela inevitavelmente trará - escolhendo a diplomacia em vez de uma nova escalada.

A Rússia é uma parte do continente e da cultura europeus. As pessoas em toda a Europa tinham grandes esperanças quando a Guerra Fria terminou e o Pacto de Varsóvia foi dissolvido. A promessa de uma Europa unida parecia possível. Mas a OTAN não foi dissolvida e a relação entre a Rússia de um lado e a OTAN e a UE do outro piorou constantemente nos últimos vinte anos, atingindo uma fase aguda de antagonismo nos últimos anos, o que é extremamente preocupante.

A quebra total da confiança no controle de armas e a saída dos tratados, como no caso da Ucrânia, exacerbou a situação.

A dispendiosa expansão da OTAN e a mudança forçada das fronteiras da Ucrânia não melhoraram a probabilidade de alcançar a segurança comum ou a paz. A manutenção das forças militares e a permanência na corrida armamentista têm um custo pesado tanto para a Europa quanto para a Rússia. Todos nós agora precisamos desses recursos financeiros para mitigar os efeitos da mudança climática e da pandemia atual.

As políticas de confrontação estão nos levando à beira da guerra com ambos os lados culpando o outro pela escalada. É contraproducente para a OTAN e para a Rússia enfrentar este conflito, acrescentando combustível ao fogo e dando munições aos adeptos da linha dura de ambos os lados para mais confrontos. Enviar mais armas e soldados para as fronteiras de ambos os lados aumenta o efeito gangorra que aumenta o perigo de guerra e cria um perigoso impasse, como em Berlim em 1958 ou Cuba em 1962. Há sessenta anos, estivemos no precipício da guerra nuclear e somente atos individuais heróicos, decisões corajosas e a sorte nos salvaram. Não façamos isso novamente.

Precisamos recuar e olhar para este impasse através dos olhos do outro. Isso não significa que tenhamos que aceitar a opinião do outro ou assumir sua perspectiva como a nossa. Devemos escutar suas necessidades e tentar entendê-las. Recorramos à sabedoria de nossos antepassados que enfrentaram circunstâncias semelhantes durante o confronto global nos anos 50 e lutaram pela redução de armas e por uma zona livre de armas nucleares na Europa Central.

Não há soluções fáceis para os conflitos, mas uma solução diplomática e pacífica deve ser encontrada. A alternativa é impensável: a morte em larga escala e a destruição da infra-estrutura de suporte de vida, usinas nucleares e o possível deslocamento de milhões de pessoas na Europa. Mas a isto se soma a ameaça nuclear, sempre presente, que vem com qualquer guerra entre nações armadas nucleares. Neste conflito, quatro Estados possuem armas nucleares e têm políticas de primeiro ataque.

Apelamos a todas as partes em conflito para que:

  • Deixem de fazer ameaças e renunciem à escalada militar
  • Retirem todas as tropas e armas das fronteiras de todos os lados da Ucrânia
  • Impeçam que outros Estados participem diretamente de conflitos militares.
  • Discutam medidas de construção de confiança e necessidades subjacentes de ambos os lados e como abordar estas
  • Parem de culpar uns aos outros por começarem o conflito e comecem do zero
  • Iniciem conversações sobre desarmamento nuclear com o objetivo de eliminação verificável de armas nucleares em todo o mundo
  • Comecem os preparativos para aderir ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW)

Exortamos todos os países da Europa a ajudar a evitar a guerra e um desastre humanitário, propondo e aplaudindo medidas de desescalonamento.

Nosso apelo por um esforço diplomático contínuo para resolver a crise política não significa acordo com certas posições políticas. Procuramos evitar um conflito potencialmente incontrolável que pode se transformar em uma guerra nuclear.

► assinar o apelo médico